Dois novos projetos iniciados em scratch: Space Manbow e Truxton Ship – Projeto Shooter Histórica Vol 1

Bem gente reativando o projeto, inicio hoje o scratch de mais dois micro-modelos da minha coleção: A nave do jogador no game Space Manbow, o único jogo de nave que a Konami fez para o MSX 2, e considerado uma de suas obras primas e a nave Truxton do jogo de fliper e Megadrive que tem o mesmo nome.

Lembro como se fosse hoje: Em 1989 ou 90 (não lembro mais…)  finalmente consegui transformar meu Expert em 2, o kit de transformação foi comprado na Digimer que na época era uma lojinha pequeninha que vendia não apenas bugigangas de MSX, mas de todos os sistemas que existiam no Brasil naquele tempo: Apple, TRS-80, ZX, IBM PC e até mesmo o Amiga. Obviamente com o computador montado e kit instalado na loja, fui correndo a minha soft house favorita que ficava em uma sala no quarto andar do edifício SULACAP na Av Borges de Medeiros aqui em Porto Alegre  e comprei Space Manbow, Vampire Killer e outros jogos megaram de MSX 1 entre eles Super Laydock e os Nemesis, enfim era tanto jogo, que o meu pai (que saudade) foi na Casa dos Gravadores e comprou mais um joystick do Expert (um dos melhores joysticks de manopla já feitos até hoje). Space Manbow me impactou desde o primeiro dia que joguei, e passados mais de vinte anos daqueles saudosos dias de verão ainda me divirto jogando no BlueMsx esse grande clássico.

Voltando a falar da nave, ela tem planos cruciformes numa fuselagem pequena onde o motor é desproporcional em relação ao cockpit, vamos ver o que posso fazer, me parece ser bem menor por exemplo que a Vic Viper. A idéia é usar Epoxy e papel sulfite ou Canson  em diferentes gramaturas, ainda estou pensando se irei pintar a nave de cinza claro, ou vou utilizar o papel branco como base. Também decidi em fazer uma das armas auxiliares, tudo montado em um pedestal. Vamos ver o que sai.

O Truxton tmabém chamado de (Tatsujin)  é um daqueles shooters insanos da Taito ( na verdade de uma subsidiária a Toaplan), trata-se de um dos melhores jogos do estilo ao meu ver e um dos mais característicos dos anos 80.  A minha primeira experiencia gamer em 16 bits, foi jogando Truxton que foi um dos primeiros jogos de Mega Drive lançados no Brasil pela Tec Toy junto com o video-game da Sega de mesmo nome. A coisa mais divertida além do nível de dificuldade que ficava insano lá pelas quebradas era a bomba que tu podia jogar nos inimigos, que era uma mega caveira, bah ter isso dentro de casa, naquela época era o máximo…

A nave do jogo que nem sei o nome e chamei de Truxton, é um design muito interessante, ela é um caça grande com três canopys e uma asa circular, com os motores encastrados, muda de cor de acordo com a arma que o jogador está usando, diria que é quase uma corvetta, esse vai ser interessante de fazer, ainda estou pensando se vou fazer os satelites auxiliares. A cor já decidi: vai ser o laranja avermelhado do primeiro tiro quando o jogador começa.

Estou por enquanto fazendo os desenhos para construir as réplicas e coletando referências, na net a coisa tá braba, pois quase não existem referências a respeito. No caso do Space Manbow, estou utilizando o cinematic do final do jogo que tem um belo close da nave de lado, salvei várias print screen no emulador e já tenho uma idéia do processo construtivo, quanto ao truxton, vou ter que usar exclusivamente os sprites do jogo, dando uma “adivinhada” da parte de baixo, esse jogo tem loop end, e nunca cheguei ao final dele (para os meus parcos recursos gamers é uma tarefa impossível) nem em emulador e nem no Megadrive.

Assim que tiver updates eu vou postando aqui. Outro estudo que já começou sob encomenda é a nave do jogo Axelay, que tem formas bem complexas vou ver o que é possivel fazer para simplificar o processo e quem sabe gerar cópias de resina…

Até a próxima!!!

Um post diferente: Tyrian

Olá a tod@s!!!

Dessa vez apareço nesse início de semana com um post diferente, vou falar de uma segunda paixão minha além dos modelos: video-game!!! Mas não essas porcarias ultra modernosas, em que jogar é uma burocracia de milhares de botões dois controles, um teclado, em que voce precisa ter um mega computador para jogar.

Falo dos jogos da minha infância e do final da minha adolescência, quem tem mais de 35 anos se lembra bem de clássicos como Black Tiger, Rygar, Gradius, R-Type, Raiden, Shadow Ninja, Double Dragon, jogos a sua maioria em 2D, que populavam nos anos 80 e início dos 90 nos fliperamas e em consoles.

Abertura do Tyrian

No início da popularização dos IBM PC na década de 90, para mim foi uma época de ouro, pois tínhamos uma enorme variedade de jogos transicionando entre o estilo “old scholl” com shooters, bons RPG’s, simuladores espaciais. Os gráficos não tinham a mega perfeição dos dias de hoje, porém o hardware das máquinas dessa época nem de longe  oferecia as possibilidades de hoje. O que não quer dizer que os programadores  daquele tempo não tinham capacidade e criatividade de realizar belos jogos. afinal desenhar e programar com sprites não é para qualquer um.

Gameplay do Tyrian 2000, versão "mais moderna" com um episódio a mais...

Navegando na internet esses dias achei o projeto OpenTyrian com muita alegria, o Open Tyrian é um port moderno do Tyrian, clássico jogo da metade da década de 90, que muito joguei no meu 586 e P75, é um prazer ver o jogo de novo reincarnado para Vista ou XP funcionando.

Megachefes e o princípio do "bulet hell" começaram em jogos como Tyrian e Raptor...

Tyrian é um Shoot ‘n’ Up (conhecido no Brasil também como jogo de naves, não me venha com aquela bichisse que algumas pessoas chamam os jogos desse estilo de navinha, tenho pavor desse nome, coisa de… deixa pra lá) com ação frenética e boa jogabilidade. Recomendo o download para os saudosistas, se você é neófito no gênero, também recomendo, para jogar algo diferente e mais simples.

Se você ainda tem uma máquina velha pode pegar o jogo original aqui, no worry com direitos autorais, esse já está na classe do abandonaware… 😉

Lembrando sempre que jogos de nave, sempre dão boas idéias e mesmo modelos para scratch, prática que há muito sigo…

Até a próxima