Fairey IIID “Santa Cruz” – Uma Bela História de Aventura.

Muita gente tem uma tendência, mesmo no Brasil em achar que Charles Lindenberg foi o cara que efetivamente conseguiu cruzar o Atlântico pela primeira vez, não desmerecendo, o feito do americano, o fato é que ele foi o primeiro a fazer em um vôo “non stop” a viagem da América do Norte a Europa em 1927, porém os primeiros mesmos a cruzar o Atlântico, foram o tenente Sacadura Cabral e o almirante Gago Coutinho em 1922.

III
A aventura…

As figuras, Gago Coutinho, morreu velho em 1959, Sacadura Cabral desapareceu no Mar do Norte em 1924, nunca foi achado o seu cadáver...

O Almirante Gago Coutinho, foi um grande geógrafo, responsável por muitas cartas modernas de territórios inóspitos na África e na Ásia quando eram possessões portuguesas, inventou entre outras coisas o sextante moderno de navegação, utilizado até hoje. Com esta invenção eles realizaram o vôo histórico, navegando pelas estrelas e pelo sol.

O Lusitânia decolando da Foz do Tejo em 30 de março de 1922, note a Torre de Belém ao fundo…

O primeiro Fairey IIID preparado para o vôo foi batizado de “Lusitânia”, esse avião foi perdido na primeira parte do trajeto, este Fairey tinha as asas alongadas para realizar o tento, depois os dois aviadores utilizaram mais um Fairey, o “F-401″ que também foi perdido em um acidente. O lusitânia se arrebentou nos rochedos de São Pedro e o “F-401″ em Fernando de Noronha após uma pane seca, com o “Lusitânia” foi feita a maior parte da viagem.

Com o acidente do segundo IIID, a Marinha Portuguesa despachou um terceiro batizado de “Santa Cruz” que fez o trecho final da viagem pelo litoral Brasileiro, dando às caras no Rio de Janeiro. Este avião encontra-se lindamente preservado no Museu da Marinha em Lisboa.

O Santa Cruz preservado, é impressionante a qualidade de conservação, 98% do avião é original.

Ao contrário de nós, que simplesmente deixamos durante muito tempo para trás a epopéia de João de Barros e o SM-55 “Jahú” que foi outro pioneiro da travessia do Atlântico, os portugueses reverenciam essas duas grandes personalidades, com belos monumentos e na sua numismática…

Selo postal português mostrando o Santa Cruz, que ficou mais famoso por ter terminado o trajeto, embora o Lusitânia foi o maior herói…

Cédula de 20 escudos (antes da implantação do Euro)

Monumento alusivo ao grande feito

Falando um pouco sobre o avião, o Fairey IIID foi ainda desenvolvido durante a I Guerra Mundial, como um provável substituto do Short 184, infelizmente este chegou tarde demais para participar do conflito, de modo que acabou entrando em serviço na FAA e na RAF no início da década de 20. Suas boas caracteristicas de vôo, uma célula quase modular e a possibilidade de intercambiar os flutuadores com trens de pouso, permitiram que a Fairey fosse desenvolvendo versões cada vez mais competitivas, sendo que as versões D e F foram exportadas para vários países com diferentes plantas motrizes. Um desenvolvimento da IIIF, o Fairey Gordon foi usado pela nossa Aviação Naval de 1932 à 1940, mas isso já é outra história…

O modelo montado foi repintado por mim no Corel Draw X3 e está a venda na Ecardmodels , aqui.

Adoro montar biplanos, e eles quando finalizados chamam muito a atenção, aqui, tem um PaP da montagem do Fairey IIID, espero que inspire os amigos modelistas a montarem os seus próprios trabalhos. Até a próxima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>