Baychimo – O Navio Fantasma Moderno

Mais uma daquelas histórias malucas, que parecem tema de filme, mas é a mais pura verdade. A história que vou escrever hoje para vocês é na minha opinião uma das mais surpreendentes do mundo contempôraneo. Falo do navio fantasma S.S. Bachymo

Ao contrário de outros navios fantasmas famosos, não há maldições, espirítos, coisas do mal ou do demônio. O navio encalhou no Círculo Polar Ártico, nas primeiras décadas do século XX e foi abandonado, o incrível é que todas as tentativas de resgate falharam e em todas as ocasiões e o navio de tempos em tempos desaparece e reaparece entre o Canadá e o Alaska e o mais maluco é que o  navio ainda pode estar à tona nos dias de hoje…

O S.S. Bachymo é um cargueiro de aço de 1322 ton construído em 1914 na Suécia, pelos estaleiros Lindholmens Mek. Verks. A/B para a compania de navegação alemã Baltische Reederei K.G. com sede em Hamburgo. Originalmente  foi batizado de Ångermanelfven. Ele tinha 70 M de comprimento e era propulsado por um motor à vapor de expansão tripla que desenvolvia 10 nós de velocidade. O Ångermanelfven foi utilizado até I Guerra Mundial (1914 – 1918) nas rotas alemãs entre o Império Alemão e o Reino da Suécia no Mar do Norte.

Com a derrota das potências centrais na grande guerra. A Alemanha teve que ceder uma grande parte da sua frota mercante como reparação de guerra, segundo os ditames do Tratado de Versalhes, entre os navios de sua marinha mercante estava o Ångermanelfven que foi comprado pela companhia de navegação escocesa  Hudson Bay por um custo muito baixo e foi rebatizado de Bachymo.

O Bachymo foi utilizado em rotas entre o Alaska e a costa escocesa da Inglaterra, visitando pontos de comércio e aldeias esquimó trocando  produtos industrializados e combustível por peles, fez nove viagens bem sucedidas ao Círculo Polar Artico ao lono da década de 1920, até que  em 1º de outubro de 1931 ele encalhou próximo a cidade de Barrow no Alaska, a tripulação abandonou o navio e caminhou até a referida cidade pelo mar congelado. Dois dias depois o navio se soltou e a tripulação voltou. Porém o mesmo encalhou novamente no dia 8 do mesmo mês, dessa vez de maneira mais funda no gelo, a tripulação com a proximidade do auge do inverno decidiu abandonar o navio, e foi resgatada por aviões da Hudson Bay com exceção de 15 membros que montaram um abrigo de madeira próximo ao navio para vigiá-lo caso ele novamente se desprendesse do gêlo.

No dia 24 de maio uma violenta tempestade de neve fez os vigias perderem contato com o navio, presumiu-se que ele havia afundado. Surgiu a partir daí a sequência de fatos insólitos e misteriosos que cercam o navio. Alguns dias depois um caçador de baleias Inuit avistou o Baychimo flutuando 72 km posterior a posição do encalhe. A tripulação avaliou a belonave e concluiu que ela não sobreviveria a o inverno, então decidiu salvar a carga de peles por via aérea e abandonar o navio.

O mais engraçado é que o diabo do navio, nunca afundou.  Nas décadas seguintes foi avistado, por vários navios e pessoas, sendo que o último avistamento concreto do navio fantasma foi em 1969, 38 anos depois de ter sido abandonado, todas as tentativas de resgate do Baychimo ao longo das décadas falharam.

Confira só os avistamentos 😉

  • 1931 – Alguns meses depois do abandono, foi visto novamente cerca de 480 km a leste.
  • Março de 1932 – Foi visto navegando tranquilamente perto da costa do Alasca, por um viajante, próximo à cidade de Nome.
  • Março de 1933 – O navio foi encontrado por um grupo de Inuites que fugiam de uma tormenta, servindo de abrigo durante 10 dias.
  • Agosto de 1933 – A Hudson Bay Company informou que o Baychimo continuava à deriva, mas uma operação de resgate estava fora de cogitação, pois seria muito cara.
  • Julho de 1934 – Foi visto por um grupo de exploradores em uma escuna.
  • Setembro de 1935 – Foi visto ao longo da costa do Alasca.
  • Novembro de 1939 – Foi abordado pelo capitão Hugh Polson, com o intuito de um resgate, mas os assustadores blocos de gelo flutuantes da região fizeram com que a tentativa de resgate fosse abortada.
  • Entre 1939 e 1961 – Foi avistado inúmeras vezes por vários navios, mas nunca foi tentada uma abordagem.
  • Março de 1962 – Foi visto navegando ao longo do Mar de Beaufort por um grupo de esquimós.
  • 1969 – O navio foi visto congelado em um bloco de gelo. Dias depois o navio teria sumido novamente. E agora, 38 anos após ter sido abandonado nunca mais avistaram-o

Na década de 90, o governo do Alaska e a Hudson Bay fizeram uma expedição na busca pelo Baychimo, porém essa expedição não teve nenhum fruto concreto e o navio entrou para o rol de embarcações perdidas…

Para os amantes do papel modelismo, existe uma réplica do Baychimo para montar comercializada pela empresa  Paper Shipwright na escala 1/250, é um belo modelo apesar de ser linha d’água.

Até a próxima história estranha…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>