USS Enterprise NCC-1701 – The Trek Begin

Apresento a montagem em papel de uma peça clássica da Ficção Científica: a USS Enterprise do seriado original de Star Trek (Jornada nas Estrelas), espero que vocês curtam esse modelo e a reportagem, tanto quanto eu quando o criei e montei tanto quando escrevi.

Acredito que não tenha pessoa que nunca tenha visto pelo menos uma vez na vida algum episódio do seriado Star Trek (Jornada nas Estrelas) original da década de 60. Essa grande série com mais de 40 anos de idade idealizada por Gene Rodenberry para a rede de TV CBS, virou um fenômeno mundial com milhares de seguidores e acabou se criando a partir dela um estilo de vida próprio, na visão otimista do futuro da humanidade (embora o argumento da série original tenha diversas idéias de senso comum a previsão de tecnologia futuro de outras obras e universos de SF da década de 50 e 60.).

Patch de desenvolvimento da classe Constitution

Esse sentimento acabou dando para a Paramount a oportunidade de ganhar muito dinheiro ao longo de décadas com novas séries, filmes, e claro muito merchandising, de canecas de café a jogos de Computador…

O meu pai comprou esses tempos de barbada, o box da 1ª temporada da série original nas Lojas Americanas por R$ 40,00. Revendo os episódios, me animei a construir, a mais mítica de todas as naves da história da Federação de Planetas Unidos, a USS Enterprise NCC-1701 – Classe Constituíção. Tripulada por James T. Kirk e sua turma…

Na verdade o modelo estava semi-acabado fazia tempo, ele é um scaledown de um modelo que fiz originalmente na escala 1/1000, o reduzi para a minha escala “colecionável” a 1/1700.

Uma visão clássica, retirada dos segmentos do seriado…

A primeira Enterprise foi criada em pelo diretor de arte Walter M. “Matt” Jefferies em 1966, para o episódio-piloto da série, Gene não queria um disco voador ou um foguete, como era de praxe nas outras séries de TV e cinema da época, mas algo que impactasse. Jefferies conseguiu criando essa silueta característica que qualquer um reconhece hoje…

O meu modelo tem muitas peças, por que foi pensado originalmente na escala 1/1000, por isso acabei na montagem eliminando os flaps e abas de colagem e colando as quinas com cola branca a base de PVA. No entanto apesar do tempo que levei para montar (quase dois meses) gostei bastante dos resultados…

Visão Esquemática da Classe Constituition em sua configuração original…

Fotos do Modelo Montado:

História da Classe Constitution (extratos retirados do site Starfleet Museum)

Até ao final de 2236, o Comando da Frota Estelar havia emitido diretrizes para o desenvolvimento de duas novas classes de cruzadores pesados. Um deles foi batizado chamado Constituição (NX-1700), em homenagem famosa fragata de madeira do século 18 (ainda em Boston à tona após 450 anos), e utilizando o novo reator M/AM SSWR-XV e empregar o já muito consagrado e testado layout – uma seção disco de comando ligada por um fino pescoço para um casco de apoio de engenharia com duas 2 naceles – usado para a maioria dos cruzadores de primeira linha da Frota Estelar ao longo dos últimos 75 anos.

Esquemáticos da seção disco...

Esquemáticos do casco secundário...

A fim de simplificar os processos de design, tanto quanto possível, tanto a futura classe Constituição quanta a classe Pyotr Velikiy (desenvolvida em paralelo deveriam a usar vários componentes comuns, incluindo os defletores de navegação suite de sensores , armamento (tanto faisers como armas cinéticas), blindagem defletora defensiva e sistemas, chave como suporte de vida, ponte de comando, sistemas de apoio, naceles de dobra, e sistemas de computador. Desses componentes, os dois últimos são as mais notáveis. As naceles tipo Sabre não eram de design revolucionário, mas eram muito grandes, tanto em termos de comprimento total (155 m) e como uma percentagem de cada deslocamento da nave projectado. Eles foram concebidos para lidar com altíssimas pressões para deformação de plasma, que em teoria, permitiria que uma nave da classe CONSTITUIÇÃO para alcançar velocidades tão elevadas como wf 12, com potência disponível em seu reator. Construção dessas enormes naceles exigiu o desenvolvimento de forjas centrífugas especializadas para produzir a grande rede de bobinas com pureza sem precedentes . O sistema foi desenvolvido pelo jovem engenheiro Dr. Richard Daystrom baseada em sua teorias sobre duotronica. Em 2243 na idade de 24 anos Dr. Daystrom iria ganhar o prêmio Zee-Magnees por seu trabalho inovador nesse campo.

De 2237 a 2240 concepção e construção dos spaceframes da USS Constitution e de mais 4 naves da classe procedeu suavemente em órbita acima de San Francisco. Embora consideravelmente maior do que a classe Valley Forge, A classe Constituição não foi significativamente mais complexa em termos de construção, fora o seu principal reator M/AM enaceles. A seção disco de 129 m de diâmetro com promontórios assimétricos tinham um módulo de ponte de comando bastante atualizado e, uma grande enfermaria de bordo, além de um computador central duotronico, amplos laboratórios científicos, e espaçosos alojamentos para oficiais, a tripulação e e representações diplomáticas (incluindo os que não são de planetas classe M) . Todos os bancos Phaser tubos de torpedos foram ocultados por trás dos casco através de placas retráteis. Um grande sensor na parte ventral do promontório da classe CONSTITUIÇÃO permitia uma varredura de profundidade abaixo da superfície planetária  em órbita geosincrônica elevada. O motores de impulso tinham um novo, design compacto quebrando os contornos da seção disco do casco ligeiramente.

O casco secundário é suspenso à seção disco a partir de uma profunda ligação dorsal, porém extremamente fina de 28 M de altura, neste arranjo foi possível montar os principais sistema de navegação do defletor. A grande antena do deflector foi criada por causa das velocidades superiores da classe Constituição. Atrás do deflector, o casco cônico cria suavemente um espaço adicional de 90 m para a principal baía de naves auxiliares na popa.

Enterprise em órbita geosincrônica de Talos IV, planeta proibido de visitas pela Frota Estelar...

Dentro do casco secundário ficam a engenharia, os sistema de accionamento warp, incluindo os compactos SSWR-XV: reatores de deutério, cisternas, cilindros de conteção de AM , além da sala de controle de processamento de dilitium e sistema de refrigeração auxiliar. Numa grande parte deste casco, ficam áreas de carga, oficinas e áreas de lazer.

No final de 2240, rumores perturbadores começaram a surgir a partir de Hellas Planitia (O local de desenvolvimento dos reatores SSWR) que tudo não estava bem com o projeto do reator SSWR. Tanto o diretor do projeto quanto o director da Hellas Planitia se demitiram ou foram demitidos na Primavera de 2241 junto com grande parte da equipe técnica. Uma revisão de emergência pelo Federation General Accounting Office, em Julho de 2241 revelou que os testes de certificção em várias etapas de desenvolvimento foram parcialmente ou completamente falsos para dar a impressão errada de que o desenvolvimento do reactor foi feito de acordo com o cronograma. Nesta época o reator já deveria ter sido submetido testes de estresse de alta resistência , mas ainda não havia executado em até 75% de toda a força. Problemas com o reator foram numerosos, talvez o mais grave foram subidas e quedas de potência , o desenvolvimento retardado turbilhões na câmara de plasma e extremamente elevadas taxas de instabilidade na matriz de dilitium. Pior de tudo, o SSWR-XV, que tinham sido submetidos a testes de bancada Hellas Planitia desde 2239, isso tudo acontecendo há, 24 meses de distância da conexão do reator com o spaceframe e talvez, há 36 meses de distância de voo total de testes.

O atraso no desenvolvimento dos principais grupos motopropulsores afetou a construção do spaceframe da Classe Constitution no São Francisco Starfleet Yard Starship e de trabalho em outros projectos planejados ou já em andamento. Criando uma grande frustação em toda a equipe de desenvolvimento e na Frota Estelar. Reportagens na imprensa popular sobre o custo crescente no desenvolvimento da classe Constituição, dizendo os fundos que poderiam ser melhor gastos noutras regiões e projetos ainda provocaram um impacto maior sobre esses reveses. Já que uma grande recursos, meios materiais e humanos no sistema Sol estavam sendo utilizados neste projeto.

Como uma indicação da importância que a Frota Estelar colocou sobre o projeto Constituição, o Almirante Robert April, Comandante da 4 ª Frota, assumiu o controle direto do projeto, em Agosto de 2241. E a Almirante Beatrix Nguyen, chefe da Seção de Propulsão da Frota Estelar, foi designada para supervisionar pessoalmente em Hellas Planitia o desenvolvimento do reator SSWR-XV. Com a supervisão da Frota Estelar, o projeto ganhou um novo senso de direção, novamente começando a avançar, e o mais valioso: vários anos de desenvolvimento que aparentemente tinham sido perdidos foram recuperados. A data-limite de 2242 para a incorporação da classe Constituição a Frota Estelar era claramente impossível de cumprir e provavelmente seria atingido em mais alguns anos.

O USS Constitution (NCC-1700), finalmente foi comissionado a Frota Estelar em Setembro de 2245, com mais de 3 anos e meio de atraso. Contudo, depressa se tornou evidente que a espera valeu a pena. A classe era extremamente rápida (wf 9), sendo uma nave com supremacia defensiva e capacidades científicas que excederam as expectativas da Frota Estelar. A USS ENTERPRISE (NCC-1701), batizada com o nome de um Porta-Aviões da Marinha Americana no século XX, foi lançada em Novembro de 2245 e foi colocado sob o comando do Almirante April, como uma recompensa pelo seu empenho de resgatar o projeto de desenvolvimento da classe que estava indo quase certo ao fracasso. A classe CONSTITUIÇÃO se tornou, talvez, o mais famosa classe de cruzadores na história da Frota Estelar. Em particular, as viagens da USS ENTERPRISE sob seu terceiro capitão, James T. Kirk, tornaram-se lendárias em toda a Federação.

Lendária tripulação capitaneada por James Kirk na ponte da Enterprise...

Estas poderosas naves alargaram o espaço conhecido para um maior grau do que qualquer classe anterior de naves estelares e eram considerados grandes oponentes em combate. Produção de 50-naves desta classe continuou até 2268.

No entanto, nada menos que 16 das 30 primeiras naves da classe Constitution foram perdidas: um reflexo das missões perigosas estas naves da Federação realizavam muito além das fronteiras. Em um ponto, em meados dos anos 2260s, a taxa de perda rivaliza com a perda da Classe Deadalus, em meados dos anos 2160s, quano 4 naves desta classe foram perdidas em um período de 6 meses. No entanto, ao contrário destas perdas anteriores, as naves da Classe Constituíção não pode ser atribuídas a um único fator, tais como falhas catastróficas nos reatores. A USS CONSTELLATION (NCC-1710), foi destruída em uma batalha contra uma arma consumidora de planetas de 3000-m de comprimento, que acredita-se ter sido arma fabricada por uma raça já morta numa guerra esquecida. A USS INTREPID (NCC-1708), com uma tripulação de 400 Vulcanos, foi dominado e destruído por um imenso organismo unicelular de origem desconhecida. Os restos do USS Virginia (NCC-1715) e sua tripulação foram encontradas espalhados por mais de um ano-luz cúbico de espaço interestelar próximo ao sistema Keshab Rho XVI, a causa da sua destruição nunca foi determinada. USS Excalibur (NCC-1705) e USS Lexington (NCC-1709) foram severamente danificado durante um incidente numa missão de treinamento com o sistema computadorizado experimental M-5 instalado a bordo da USS ENTERPRISE (NCC-1701). Todos a bordo da USS EXETER (NCC-1706), foram mortos por um vírus trazido a bordo por uma equipe de vistoria do planeta Omega VI. A USS Defiant (NCC-1717) desapareceu através de uma fenda interdimensional perto espaço Tholian.

Patch de 20 anos de serviço da USS Enterprise...

A Classe CONSTITUIÇÃO se revelou um desenho extremamente versátil e serviu de base para inúmeras variantes, incluindo as classes de destroyers Hermes e Saladin com uma única nacele, a classe de Rebocadores e Transportes Ptolemy de duas Naceles , e o Dreagnought pesado com três naceles da classe Federação. Com inúmeros melhoramentos e refits originais a classe CONSTITUIÇÃO serviu com a Frota Estelar em várias funções até a década de 2330. Em 2271, a USS Enterprise foi amplamente reequipada após sua quarta missão de 5 anos, surgindo uma nova classe de naves (classe Enterprise) que foram construídas seguindo esse padrão.

Classes derivadas do desenho Constitution: Destroyer classe Hermes, Dreagnought classe Federation e Rebocador classe Ptolemy...

As naves da classe Enterpise e vários outras classe derivadas e descendentes tem a expectativa de permanecer no serviço, pelo menos até a década de 2390.

Fotos (Mais umas) 😉

Uma comparação de tamanho da NCC-1701 com outras naves do universo Star Trek:

USS Enterprise e USS Lantree (Miranda Type II Class)

USS Enterprise e USS Australia (Classe Asia)

USS Enterprise e Cruzador Klingon de Bolso - Wing of Death

Para saber mais (Punhetagem na Internet):

http://www.starfleet-museum.org/pyotr-velikiy.htm

http://memory-alpha.org/wiki/USS_Enterprise_%28NCC-1701%29

http://startrek.com/database_article/enterprise

http://memory-beta.wikia.com/wiki/USS_Enterprise_%28NCC-1701%29

Até a próxima nave Trek ! :) Vida longa e próspera ;)!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>