Guia de Montagem: Mikoyan Gurevich MiG-15 1/100 – Oddball Productions

Bem amigos, aqui demonstro mais um diário de montagem, da terceira confecção das férias (já saudosas) o clássico MiG-15, aqui voces acompanham toda a história do avião, de modo que ficaremos focados exatamente na montagem…

Bem amigos vamos começar então a postar o trabalho.

Como em qualquer modelismo temos que estudar atentamente as peças e planejar a montagem. No papel modelismo, apesar de quando se comete um grande erro dificilmente há reversatibilidade (a não ser refazer o modelo), o custo do modelo é baixo (excetuando os modelos de revista), por isso, uma boa análise da montagem e das intruções são sempre bem vindas.

O modelo que vou demonstrar aqui é da OddBall Design, esse editor de e-models (aqueles que a gente compra, baixa e imprime em casa), caracteriza-se por ter modelos quase sem formers estruturais, realizando a colagem das seções da fuselagem e das asas por meio de abas (escola Fiddlers Green).

Imagem

Falando em escolas de papel-modelismo, elas são a maneira como os designers projetam os modelos. Existe a Polonesa e Russa (GPM e Orel), onde há o uso extensivo de formers, onde o modelo é revestido, a Tcheca (ABC Magazine, Best Papermodels, que usa formers volumétricos, e dobraduras complexas nos seus modelos e a Americana (Fiddlers Green, Alan Rose) que prefere as dobraduras e colagem em pétalas…

A desvantagem dos modelos da escola FG (Norte Americana) é que eles tem poucos detalhes, na escala original desse modelo (1/32) isso seria um grande problema, mas com a redução para a 1/100 é tolerável um modelo “sólido” com trem de pouso, e esse é o nosso caso…

O modelo foi impresso em uma Epson L 200 em modo de fotografia de alta qualidade, em papel Opaline 120g. Ao contrário do que o pessoal imagina, dificilmente uso tesoura para cortar as peças das folhas, Em geral uso bisturi com lâmina Nº 11 (bisturi mesmo não X Acto) e a lâmina Olfa Série KB, para peças curvas e trabalho de zigue-zague (como as abas de colagem).

Imagem

Imagem

Imagem

Dificilmente uso os dedos para dobrar e curvar peças em geral usamos formers, boleadores e pinças como voces podem ver nas fotos.

Imagem

A cola também é um item a parte em geral uso cola PVA de preferência da marcar Mercur (pois foi a que melhor me adaptei), um frasco ela está diluida em 50% de água, e funciona guardada as devidas proporçoes como cola liquida do plastimodelismo, outra cola que uso para pequenas laminações e Mercur para Scrapbook…

Agora que já fizemos o esclarecimento básico, e uma rápida analise do kit sem mais delongas vamos à montagem.

Comecei este modelo quanto estava em férias, na semana passada, na casa da minha irmã em Arroio Teixeira, uma das muitas praias sem graça do “hermoso” litoral do Rio Grande do Sul. Começamos naturalmente pela fuselagem e seus segmentos, a primeira parte tem uma parede falsa onde colamos a ponta do difusor da entrada de ar…

Imagem

Imagem

Imagem

As quinas das peças do modelo são pintadas nas cores apropriadas com tinta aquarela, com ela é fácil chegar na cor aproximada da impressão em jato de tinta e cobre perfeitamente aqueles desagradáveis brancos que ficam entre as peças por conta da quina do papel…

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Todos os segmentos da fuselagem foram cuidadosamente curvados e colados seguindo as linhas de painel, notem que a parte de tras do escape não foi colada ainda, Infelizmente o ananá que vos tecla esqueceu de fotografa uma parte importante da montagem, a instalação de peso na fuselagem. O MiG-15 é um triciclo, logo como nos modelos de plástico temos que colocar peso também, claro que bem menos… Duas bolinhas de chumbo de caça bezuntadas em cola PVA sem diluição foram suficientes para resolver o meu problema…

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Voltando da praia na sexta-feira passada, cuidadosamente preparei o termino da fusleagem, tivemos que instalar mais uma parede que representa o combustor, mais o escape…

Imagem

Imagem

Imagem

Finalmente a fuselagem completa…

Com a fuselagem conclusa, podemos partir para as asas e as outras superficies de vôo.

A primeira parte foi montar a estrutura que ser ve de suporte de colagem que vai na fuselagem…

Imagem

Cuidadosamente a colamos, para secar bem uso o artifício de palitos de picolé cortado presos por grampos de manicure (material de beleza rende grandes ferramentas ;) )

Imagem

Enquanto a peça secava, tratei de ir cortando as demais…

Imagem

Falando em cortar com uma lâmina de bisturi nova cortei os segmentos da fuselagem que acomodam o suporte de colagem das asas, uma terfa perigosa que tem que ser feita com muita calma…

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Para manter a forma enquanto colava uso o artificio de inserir escoras, palitos de churrasquinho e de dente resolvem o nosso problema nesses casos…

Continuando com o nosso trabalho nas asas, foi a vez de trabalhar as raizes e as áreas externas das mesmas…

Imagem

Imagem

A instalação das raizes das asas não foi nada fácil, tive que forcejar bastante usando prendores de cabelo, notem os palitos para impedir a deformação enquanto a cola secava…

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Com a batalha da raiz vencida, colamos as asas, tarefa sem dificuldade, notem que as abas de colagem do suporte montado primeiro ficam por baixo da raiz das asas então não há degrau entre esta e a seção externa de cada asas, uma jogada muito inteligente do designer do modelo…

Imagem

Imagem

Imagem

Preparei o leme horizontal da cauda, a peça não tem grandes dificuldades, o unico cuidado é o alinhamento com a fuselagem…

Imagem

Imagem

Imagem

A mesma coisa para os estabilizadores, olha está ficando com cara de avião… :agitado:

Comecei a mexer nos acessórios do nosso amigo, cortei o canopy e as “facas” das asas…

Imagem

Dobramos cuidadosamente as facas, para esse tipo de peça costumo usar uma pinça comprida de eletrônica…

Imagem

O conjunto finalizado…

Imagem

Não foi fácil instalar nas superfícies da asa, para isso tive que usar uns jacarés de eletrônica que adaptei eliminando as garras

Imagem

Com paciência todas as nozhi foram fixadas nas asas…

Imagem

Partimos então para a confecção do canopy…

Imagem

Um bom artifício para formar peças que tem o formato de gota é o uso de um boleador conjugado com uma borracha, deixa a peça adequada sem quebrar a fibra do papel…

Imagem

Imagem

Com cuidado fomos colando as partes curvas do canopy…

Imagem

O danadinho feito, falta pintar o azul nas quinas, farei depois dele instalado na fuselagem…

Imagem

Imagem

Imagem

Canopy instalado e quinas pintadas…

A partir de agora resta pouco para terminar este projeto, começamos com o trem de pouso, que é até agora o maior problema, pois na redução de escala as peças ficaram muito pequenas. Mas vamos lá enfrentar esse nano desafio…

Imagem

Perna do trem de pouso principal em cima de uma agulha :raiva: o dificuldade…

Imagem

Bequilha :raiva: Detalhe: é composta de duas peças… :raiva:

Imagem

Detalhe para o trem de pouso principal, ele e a bequilha que me esqueci de fotografar fora colados com Super Bonder em gel…

Imagem

Finalmente trabalhei as rodas, notem a técnica para deixar os pnesu redondos: as costas do pneu são frontadas na palma da mão com um palinete metálico de manicure…

Imagem

As rodas coladas…

Imagem

E devidamente instaladas, foram fixadas com Super Bonder em gel…

Imagem

Imagem

Fiz então as portas do trem de pouso, peças simples com duas faces que foram dobradas e coladas e devidamente fixadas nos locais certos…

Imagem

Imagem

Por fim, fiz alguns detalhes, não presentes com o kit, como antena de radio e o ADF, as antenas foram feitas com papel 240g e pintadas e o cabo com aço monofilamento…

Dei pequenos retoques de tinta aquarela, apliquei uma capa de Dullcote da Testors com aerógrafo, e dei o modelo como finalizado.

Imagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>