Um modelo diferente: Goodyear/ Zepellin ZRS-5 USS Macron 1/388 – Murphs Models

Um modelo diferente

Desta vez é o USS Macron, um dirigivel unico da US Navy, pois foi junto com o seu irmão, o USS Akron, os únicos porta-aviões aéreo da história. Esse grande barco aéreo carregava cinco caças Curtiss F9C Sparrowhawk, desenhados especialmente para operar com o Akron e o Macron.

800px-NH43901-enhanced

USS_Macon_at_Moffett_Field

A construção do ZRS 5 iniciou em 1933, até o surgimento do Hindenburg o Macron foi o maior dirigivel do Mundo. Usado pela Marinha Americana para escolta e reconhecimento, sua característica mais marcante era ter um hangar interno e um pod que era suspendido e usado para esconder o Macron sobre as nuvens e o pod ficava abaixo da linha dela.

USS_Macon_spy_basket_1934 N2Y-1_USS_Macon_hangar_NAN9-75 e_3_p24

O Macron foi perdido em 1935 durante uma tempestade na costa da California, por uma falha estrutural, os seus restos foram encontrados no fundo do mar em 1996 incrivelmente preservados.

http://www.mbari.org/news/news_releases … ruise.html

Dito isso, vamos a montagem…

Modelo Finalizado

Modelo disponível para compra na Murph’s Models.

Um Clássico em Papel – Vought F4U-1a Corsair 1/100 – Thaipaperwork

98025

O Vought F4U Corsair dispensa apresentações! É um dos mais míticos aviões de combate já produzidos na história da aviação naval, sendo o avião de combate à pistão que mais tempo ficou em produção nos EUA. A história do F4U começa no início dos anos 40, quando a Vought Aircraft procurou criar o mais potente avião de caça embarcado já produzido até então, com um potente motor Pratt & Whitney R2800 de 2000 Hp. O Corsair girava uma hélice Hamilton Standart de mais de 2M de diametro, a maior já utilizada em um caça monoposto até aquela época, por conta disso, os engenheiros da Vought criaram o layout de asa de gaivota caracteristico para manter o trem de pouso curto e ao mesmo tempo poder operar a gigantesca hélice, além de dar maior robustez ao avião. Na Marinha dos EUA muita gente achava que o F4U não poderia operar em porta-aviões, os Britânicos deram provas ao contrário que o Corsair era excelente e podia atuar mesmo em CAM’s e pequenos Porta-Aviões de escolta. Inicialmente a Marinha dos EUA usou este incrível caça contra os aviação japonesa em campos de terra no pacífico. Porém após 1942 com a introdução da Classe Essex os Corsair foram elemento permanente nas esquadrilhas baseadas em porta aviões atuando como caças-bombardeiro. Ficou longos anos em uso após a II Guerra, tendo destaque na Guerra da Coréia , na intervenção franco-britânica no Suez em 1956 e na infame Guerra do Futebol entre Honduras e El Salvador, onde ambos os paises em plenos 60’s ainda usavam Corsair e os empregaram no conflito. Meu modelo representa um F4U-1A um dos mais famosos que pertenceu ao ás do USMC o Major Greg Boyington comandante da VMF-214 em ação nas Ilhas Salomão contra a Aviação Naval Japonesa em 1943. Excelente modelo gratuito da Thaipaperwork.

Curtiss SOC -3 Seagull com a Catapulta – 1/100 – Thaipaperwork + Scratch

Curtiss_SOC-1_zps91dc374d

A minha mais recente adição a coleção é um avião bem interessante, trata-se de um Scout da US Navy, o Curtiss SOC-3 Seagull. Desenvolvido nos anos 30 para substituir o Vought O2U/SU Corsair nos cruzadores e couraçados da Marinha dos EUA, o Seagull tinha como principal caracteristica o intercambio entre trem de pouso com rodas e flutuadores. Foi usado da metade da década de 30 até o fim da II Guerra Mundial, apesar do surgimento de outros hidroaviões mais modernos como o SO3C, o Vought OS2U Kingfisher e o Curtiss SC-1. Era amado por seus pilotos por ter boas características de vôo, os SOC-3 foram usados como escolta de navios de batalha, correção de artilharia, reconhecimento aerofotográfico, COD, MEDEVAC, ASW, SAR. O meu modelo na 1/100 foi desenhado pelo designer Nobi da Thaipaperwork, a catapulta de deck P IV é um scratchbuilding meu.

Fotos de Preparação do Modelo e da Catapulta

Fotos da Catapulta

IMG_2915_zpsc230683b 10649583_10201368620935866_1201910639612633348_n_zpsf2850858

Modelo Finalizado

Modelo Completo com a Catapulta P IV

Martin T4M1 (With Floats) – Scissors and Planes 1/100

Continuando com a exposição das montagens do mẽs passado.

Dessa vez um clássico dos anos de 1930. O “Caminhão de torpedos” Martin T4M. Um grande biplano de três lugares produzido pela Martin Aircraft. Apesar de convencional, era um avião muito apreciado por seus pilotos pela estabilidade. O avião em, particular representa uma das aeronaves de reconhecimento do USS Heron (AVP-2), um pequeno tender de hidroaviões em operações no pacífico na primeira metade da década de 30. Antes do advento do radar, a maneira que os navios de guerra tinham alcance era através da observação por aviões carregados por eles, ou então por navios especializados em carregar essas aeronaves conhecidos como tenders.

110201011

O modelo é do editor Scissor and Planes, se eu contar que o autor desenha o seu modelo com uma macro no Excel que calcula as áreas desdobradas de uma planta de avião e desenha usando as ferramentas vetoriais do World, é capaz de não acreditarem. Esses modelos do autor são na escala 1/100, mas tem desenho simples para serem montados rapidamente, o que não foi o meu caso pois fiz uma série de customizações no modelo.

IMG_3097 IMG_3084 IMG_3095 IMG_3094

Lockheed U-2C Dragon Lady – Murph’s Models na escala 1/100

Bem amigos, atualizando as nossas montagens. Vamos com mais um assunto.

lockheed-u2-274

Mais um modelo adicionado a minha coleção da USAF na escala 1/100, dessa vez é o mítico avião de reconhecimento furtivo, o Lockheed U-2. Esse avião foi desenvolvido inicialmente como uma plataforma especializada de reconhecimento ótico para qualquer tempo. Projetada nos anos 50, para voar acima de 70000 pés (21000M) o U-2, conhecido também como Lady Dragon era imune aos aviões de caça e armas anti-aéreas daquela época, sendo que fez muitos vôos durante a Guerra Fria sobre os países do pacto de Varsóvia e outros satélites da URSS. Desenhado pelo genial Kelly Johnson, com a tecnologia da época, Kelly desenhou um enorme planador motorizado, baseado na fuselagem do F-104, porém para economizar combustível e ter uma assinatura furtiva o piloto literalmente desligava durante a maior tempo o motor, religando na janela de escape. As máquinas fotográficas de reconhecimento do U-2 eram tão especiais que tinham uma resolução capaz de enxergar uma bola de golfe a 18.000M de altitude. Até a década de 60 a CIA operava um programa secreto de espionagem aérea, que foi interrompido em 1962 com a derrubada do U-2 operado por Gary Powers sobre o território soviético. Foi um momento de esquenta da Guerra Fria junto com a crise dos Mísseis que o U-2 teve papel fundamental. Após isso a CIA, NSO e a USAF continuaram (e continuam) usando o U-2 e suas variantes como o TR-1 até os dias de hoje. Modelo da Murph’s Models.

Versão da CIA (exatamente o avião de Gary Powers)

Versão da USAF (parecido com o avião perdido sobre Cuba durante a crise do mísseis em 1962)

10502076_10201641382714740_1648436074759327529_n 10411295_10201641382514735_3569192040443638827_n 10419609_10201641381514710_1673777129448288314_n 16409_10201641381234703_6391855407570815061_n 10689975_10201641381274704_8834801454486687011_n

Curtiss Hawk 75N – Thaipaperwork – 1/100

Dando continuidade a nossa coleção na 1/100 dos geniais modelos freebies do Nobi. Apresentamos mais um modelo finalizado.

CurtissHawk75

Com orgulho, mais um modelo adicionado a coleção 1/100. E de um tema que aprecio muito que é a Guerra Aérea no sudeste do pacífico. O assunto da vez é um avião exótico, pois trata-se de uma sub variante de produção para exportação da famosa família de caças Curtiss P-36/P-40. O Hawk 75N, era bastante diferente dos seus irmãos por ter trem de pouso fixo carenado e ser motorizado por um motor Wright Cyclone, armado com duas metralhadoras Browning .30 e nesta versão (a N) com dois canhões Madsen de 23 mm, equipou a Real Força Aérea Tailandesa no início dos anos 40, sendo utilizado para defesa aérea. Na ocasião a RTAF entrou em combate com as forças francesas de Vichy em um área de disputa na Indochina, e posteriormente contra os seus antigos aliados japoneses. O Hawk 75N/M/O, também foi usado pela Argentina e pela China Nacionalista. Explendido modelo na escala 1/100 do editor Thaipaperwork.

Mikoyan Gurevich MiG-17 – Força Aérea de Angola 1/100 – Der Kampffleiger

mig_17_4

O Mikoyan Gurevich MiG-17 (Codinome da OTAN: Fresco, Designação do DoD: Type 38) começou a ser desenvolvido em 1949 como uma versão avançada do MiG-15, no entanto a experiência real de combate na Guerra da Coreia fez com que o OKB MiG desenvolvesse na verdade um novo avião, incorporando novas características que compensavam os problemas do MiG-15, notadamente a tendência a entrar em parafusos acima de certa velocidade (próxima a MACH 0,92) em mergulho, e flutuações e derivações com o disparo das armas, que se mantiveram as mesmas. Entrando em produção a partir de 1952 o “Fresco” ficou pouco tempo em serviço na URSS, logo suplementado por aviões de projeto Mach 2, mas ficou longos anos em serviço em países do Pacto de Varsóvia, ou amigos da URSS, teve uma gigantesca produção na China, conhecido como Shenyang J 5 e na Polônia como LIM-5/6. Foi usado por longos anos no chamado “Terceiro Mundo”, pois era uma aeronave subsônica de alto desempenho, com simples manutenção e muito resistente. Com longa folha de serviços em combate, sendo o seu debut na longa crise com a China em 1958, tendo sido usado também no Vietnan, nas Guerras Arábes-Israelenses nos anos 60 e até mesmo no Conflito do Afeganistão nos anos 80. Bem pilotado era um adversário formidável, tanto que as nações ocidentais tinham poucos caças da sua categoria (notadamente as versões avançadas do F-86 e F-84 o Super Mystere e o Hawker Hunter), mas de longe com a resistencia e a praticidade da máquina soviética. O MiG-17 representado aqui é um exemplar exótico, pois pertence a Força Aérea Popular de Angola/Defesa Aérea e Antiaérea (FAPA/DAA) nos anos 70. Modelo desenhado por Roman Vasyliev, que tive o prazer de testar. Estás disponível para download no fórum Papermodelers e na Ecardmodels gratuitamente.

Fotos do Modelo Montado:

Douglas A-1 Skyraider: AD-4 e A-1H na 1/100 – Murph’s Models

Bem amigos, retomando as nossas montagens. É tempo de apresentar o que ficou pronto de lá para cá.

13561

Bem amigos. Mais um modelo finalizado que estou postando aqui para voces no meu horário de almoço. Trata-se do Douglas AD-4 Skyraider. Um ícone da guerra fria e ao mesmo tempo um anacronismo na era do jato. Conhecido também como “Sandy”, “SPAD” e Flying Dump Truck (Caminhão de Lixo Voador) a história do Skyraider começa ainda em 1944, quando a US Navy emitiu um requerimento para um novo Bombardeiro/Torpedeiro com base em porta-aviões. Depois de uma série de redesenhos, surgiu a forma do Skyraider, embora lembrando um caça, era um grande avião com um potentíssimo motor Wright R-3350-26WA de 2600 Hp o AD-4/5 podia levar 3600 kg de armas de bombas de ferro até casulos com miniguns, napalm, bombas incendiárias, fósforo branco, lança foguetes dos mais variados, bombas antipessoal. Foi extensivamente usado na Guerra da Coreia como avião de ataque e no Vietnan como aeronave COIN. Em pelo menos duas ocasiões os Skyraider se envolveram em combates aéreos, sendo que numa dessas abateu um jato MiG-17F com seus quatro canhões de 20 mm. Os últimos foram aposentados em forças aéreas africanas nos anos 80. Modelos da Murph’s Models reduzido para a escala 1/100.

O exemplar assunto do meu modelo é um AD-4 da Marinha Americana, equipado para bombardeiro de mergulho, durante a Guerra da Coréia. 

Este Skyraider da US Navy está configurado para interdição no campo de batalha, com armas terríveis: um tanque de 750 l de combustível/napalm, dois tanques de 250 l de napalm, 4 bombas incendiárias M-36, 2 pods de foguetes M-57 Zuni, 1 bomba de termite (fósforo branco) M-41 e uma bomba-patente (uma gozação que a Marinha dos EUA fez envolvendo um bomba de ferro de 75 kg em um vaso sanitário, para comemorar a tonelagem de carga bélica lançada contra posições vietnamitas).

Douglas A-1H Skyraider, usado pela VNAF para ataque ao solo e interdição no campo de batalha. Distinguia-se dos equipamentos da USN, por ter uma suite de comunicação mais avançada.

Bem amigos por enquanto é só. 😉

Após um Longo Período de Ausência. Estamos de Volta!

Bom dia amigos e amigas visitantes desse humilde espaço!

Faz tempo que não atualizo o blog, o que não quer dizer que ando parado, muito pelo contrário, é que tenho priorizado o tempo livre para o modelismo propriamente dito. Esse ano está sendo conturbado, e por “N” razões. Então é natural que haja longos períodos sem atualizações. O que não quer dizer que eu vá parar. Então vou tentar na medida do possível dar uma geral do que ando modelando por aqui…

Modelos finalizados desde setembro:

  1. Douglas AD-4 Skyraider (Coreia)
  2. Douglas AD-4 Skyraider (Navy Gray)
  3. Douglas A-1H Skyraider (VNAF)
  4. Mikoyan Gurevich MiG-17F (Força Aérea de Angola)
  5. Curtiss Hawk 75N (Royal Thai Air Force)
  6. Martin T4M-1 with Floats
  7. USS Macron
  8. Lockheed U-2B (CIA)

Modelos em diferentes estágios de montagem ou paralisados:

  1. Consolidated P2Y3
  2. Lioré et Olivier LeO 201
  3. Ford 4AT (Byrd)
  4. Gloster Gladiator Mk II
  5. Gloster Gladiator Mk II (FAP)
  6. Aichi E11A1 Laura
  7. Lockheed U-2B (USAF)
  8. Lockheed U-2B (NASA)
  9. Douglas TBD-1 Devastator
  10. Gradius Gaiden Project
  11. Fokker Dr I (425/17)
  12. Colonial Movers
  13. Short C23

IMG_20141016_235336384 IMG_20141016_085027550

Alguns projetos como SIG especiais que eu já mencionei aqui que estou trabalhando.

  • Um deles é o Projeto de Longa Duração: Coleção Aerobotes, Hidroaviões e Aeronaves de Flutuadores, vocês podem dar uma olhada no desenvolvimento dessa coleção em língua portuguesa no fórum do Clube do Canhão aqui: http://www.clubedocanhao.com.br/forum3/viewtopic.php?f=49&t=4174 Ou então em língua inglesa no fórum Papermodelers aqui: http://www.papermodelers.com/forum/aviation/26542-my-new-project-long-duration-seaplanes-airboat-collection.html
  • Coleção I Guerra Mundial: Essa é uma ideia nova, esse é o ano do centenário do início da I Guerra Mundial (1914-1918) então a ideia é fazer até 2018 uma coleção orientada de aeronaves usadas na grande guerra. Dialoga com o primeiro projeto, sobre os aerobotes e hidroaviões também. Nesse primeiro módulo o conceito é fazer 10 caças, ou como chamavam na época scouts. São esses: Airco DH-2, Fokker EIII, Sopwitch Triplane, Sopwitch Pup, Sopwitch Camel, Fokker Dr I, Albatross DIII, Fokker DVII, Nieuport 17 e Spad VII. Ainda não comecei nenhuma montagem mas o projeto está apontado no Fórum Coladores de Plástico:  http://www.coladoresdeplastico.com.br/forum/viewtopic.php?f=11&t=345 é um fórum novo e jovem, da qual sou moderador da área de outras modalidades. Publiquei apenas lá para dar uma força, mas as montagens da Grande Guerra aparecerão em outros lugares.

Como podem ver a casa tá cheia. Vou tentar nos próximos dias atualizar as montagens finalizadas. Vamos ver o que sai…

IMG_20140909_214926 IMG_20140909_094608084 IMG_20140909_094546079

Novo modelo finalizado CANT Z501 Gabianno na 1/100

Bem amigos!
Finalizado há un dez dias atrás! Com este modelo cheguei a marca de 140 modelos montados na 1/100. O assunto da vez é o gracioso hidroavião de casco (aerobote) CANT Z501 Gabbiano, desenhada para a Regia Aeronáutica em 1934 pelo genial engenheiro aeronáutico Filippo Zapata, o Z501 era dono um belo e legante design art deco, com uma asa em parasol fixada por montantes de braçeamento, com uma nacele do motor algongada para acomodar um engenheiro de vôo que servia como artilheiro. O Gabbiano (Gaivota), tinha um grande motor em linha V12 Isotta-Fraschini Asso IX.RC de 880 HP resfriado à liquido, com um grande radiador anular. O Gabbiano foi na segunda metade dos anos 30 um grande recordista de vôo, fazendo em 1934 o maior recorde de distância em 1935 o maior alcance de vôo para um hidro-avião. Após disso com muitas modificações e reforços foi posto em serviço para operações SAR e combate anti-submarino. Em 1939 foi o principal hidroavião dos italianos ao iniciar-se a II Guerra Mundial, armado com três metralhadoras Breda-SAFAT de 7,7mm e uma carga máxima de 250 Kg de torpedos ou bombas. No entanto apesar de boas características de vôo, para combate naval era totalmente inadequado com pequena carga bélica e extremamente vulnerável ao ataque de caças, além da produção do tempo de guerra ser de qualidade inferior, pois o casco feito de madeira, muitas vezes quebrava no pouso/amerrisagem. Modelo da Murph’s Models com ligeiras customizações que inclui as metralhadoras, antenas de rádio, rigging e os dois torpedos Fiume…

Feitura do Modelo

Modelo Finalizado