Uma pausa na comemoração dos 100 Modelos

Olá gente!

Desculpa o delay, mas andei bem ocupado nos últimos dias, de modo que  deu uma atrasada nas postagens dos 100 modelos 1/100. Hoje ainda devo retomar a postagem dos mesmos, vou postar do 20 ao 24 numa sentada só. Tenho também, mais um modelo finalizado para postar para voces…

100 Modelos 1/100 – Dia 20 – Siemens Shuckert R 1

Os Modelos da Minha Coleção – dia 20 –

Siemens Schuckert R-1

A história desse monstro para lá de feio, começou em 1914 quando a Siemens começou a projetar a sua série R, o R é a abreviação de Riesenflugzeug – Avião Gigante, de bombardeiros estratégicos. O projeto tinha várias características avançadas e incomuns, como sistema motriz interconectado, gerando energia para as hélices através de diferenciais, cockpit fechado, e a grande maioria dos cabos de comando internos. Além de ter uma cauda com duas hastes sobrepostas, uma característica de design única. Apesar do tamanho gigantesco essas bestas feias e grandes, foram produzidas em pouca quantidade se destinando apenas para treinamento, com exceção das máquinas da séries V VI e VII, que foram utilizadas pela Rfa 501 em combate…

 

100 Modelos 1/100 – Dia 19 – FW Ta-183

Os Modelos da Minha Coleção – Dia 19 –

FW Ta-183

Est avião revolucionário em vários aspectos, estava sendo construído, pelos alemães quando a II guerra acabou, deveria ser de uma segunda geração de aeronaves a jato que os alemães utilizariam para enfrentar a RAF e a USAF. Projetado pela equipe de Kurt Tank em 1944 o Ta-183, as vezes também chamado de Hückeinbein era um caça de superioridade aérea dotado de poderoso armamento e equipado com mísseis ar ar com fio. O protótipo incompleto acabou ficando nas mãos dos Russos assim como a matrizaria, já os desenhos técnicos assim como os projetistas ficaram no ocidente, assim apesar do Ta-183 ser um natimorto, ele influenciou uma geração inteira de projetos de aeronaves militares nos anos 50. Digno de nota que o Pulqui II argentino é um descendente direto do Ta-183.

Os Meus 100 Modelos 1/100 – Dia 18 – PZL P24g

Os Modelos da Minha Coleção – Dia 18 –

PZl P-24g

Caça polonês PZL P-24G nas cores da Real Força Aérea Grega em 1940. O PZL 24 é a versão de exportação do PZL P 11, equipado com cockpit fechado, motor Gnome-Rohne 14K, helice tripá, rádio e claro um armamento mais potente. Foi exportado para poucos países, notadamente para a Europa Oriental antes da Guerra. Os PZL 24 gregos lutaram contra os Alemães quando da Invasão da Grécia, o Delta 107 esteve envolvido na defesa de Atenas, esse tipo em especial é a versão G mais armada com dois canhões Madsen 20 mm e duas metralhadoras WZ 34 de 7,7mm

 

Os Meus 100 Modelos 1/100 – Dia 17 – Breda Ba 65bis

Os Modelos da Minha Coleção – Dia 17-

Breda Ba 65Bis

O Ba-65 foi desenvolvido pelos italianos na metade dos anos 30 como um avião militar polivalente, que deveria servir como caça, avião de ataque tático, bombardeiro leve de nivel, reconhecedor. Ele tinha diversas configurações de armamento e diferentes motores radiais além da possibilidade de ter configuração monoplace, biplace ou até mesmo triplace. Ao tempo de sua introdução em 1935, era um avião moderno que obteve grande exito na Guerra Civil Espanhola, mas ao iniciar a II Guerra Mundial o Ba 65 era extremamente lento e vulnerável, tanto que a Regia Aeronáutica  os retirou de serviço ligeirinho, pois as baixas para a RAF especialmente na guerra do Deserto foram severas. O modelo abaixo representa um Breda 65bis versão de ataque biplace com motor Fiat A14 (Gnome Rohne 14K) nas cores da Aviazzione Legionaria na Guerra Civil Espanhola em 1938.

Os Meus 100 Modelos 1/100 – Dia 16 – Horten Ho-229

Os Modelos da Minha Coleção -Dia 16-

Horten Ho-229 Rürflugel.

O Ho-229 foi um dos mais incríveis projetos militares desenvolvidos na Alemanha Nazista durante a II guerra mundial. Esta asa voadora foi concebida na década de 30 originalmente como um planador de pesquisa para testar o conceito de flaperons, torção de asa e ausência de timão de direção. Com as exigências da guerra e a Alemanha perdendo e sendo reduzidas a escombros, nos duros anos de 1944 e 1945. O RLM considerou estudar e aplicar idéias avançadas, as vezes mal testadas, que ou pelo caos instalado com o fim da guerra ou entraves técnicos, não fizeram brotar das fábricas. Tirando o Me-262, o He-162, o Me-163 e o Ba-349, nenhum dos incríveis projetos desenvolvidos por Focke-Wulf, Gotha, Lispich, Messerschimitt e outros tantos saíram da prancheta. O Ho-229 (também designado como Ho IX )é um dos raros casos de protótipo avançado que foi construído e testado neste período como planador e também como caça motorizado, com dois turbojatos Jumo 004. Otimizado para ter um desempenho fora do comum seguindo exigências absurdas de Göering em relação à performance, (no intuito de fazer com que a Luftwaffe recuperasse a supremacia aérea) e tentando usar o mínimo de materiais estratégicos na construção, o Ho-229 V6 foi a versão definitiva e se a guerra tivesse durado mais uns meses com certeza seria posto em produção como Gotha Go-229A-0 (A fábrica de planadores dos irmãos Horten foi absorvida pela empresa Gotha). Além de avançado, o Go/Ho-229 tinha uma característica não prevista pelos Alemães (ou pelo menos se acredita que os engenheiros não tenham previsto), que é uma baixa assinatura de radar. Muito se deve ao perfil de asa voadora e a estrutura de madeira compensada utilizada em 80% da aeronave. Após a guerra os irmãos Horten foram parar na Argentina onde continuaram os seus estudos de asas voadoras e planadores avançados sob o patrocínio de Perón, mas isso é outra história.

 

Os Meus 100 Modelos 1/100 – Dia 15 – Boeing P-26A Peashooter

Os Modelos da Minha Coleção – Dia 15 –

Boeing P-26A Peashooter

O P-26 foi um dos primeiros aviões monoplanos do USAAC (A Força Aérea do Exército dos EUA) desenhado e produzido no início dos anos de 1930, representa bem a transição entre os biplanos e os monoplanos cantilever, já que tem trem de pouso fixo e cabos tirantes de fixação. Foi durante algum tempo o caça mais rápido dos EUA e era amado pelos seus pilotos por causa das suas capacidades acrobáticas. Teve uma produção pequena e ficou menos de dez anos em serviço dos EUA, ainda assim foi usado em combate na China e durante a invasão japonesa das Filipinas pelo Corpo Aéreo do Exército Filipino. Ao tempo do ataque a Pearl Harbor, o P-26 já estava obsoleto e relegado a treinamento, a aeronave que aqui está representada é uma das muitas que estavam estacionadas no Campo Wheller pertencentes ao 18th PG, que foram destruídas no solo.

 

Os Meus 100 Modelos 1/100 – Dia 13 – Martin P4M1Q Mercator

Os Modelos da Minha Coleção – Dia 13 –

Martin P4M1Q Mercator

O Martin P4M é um dos mais obscuros tipos operados pela US Navy no primeiro estágio da Guerra Fria. Projetado nos estágios finais da II Guerra Mundial, o Model 219 deveria substituir os Consolidated Privatter. O design bimotor além de grande e pesadamente armado, utilizada propulsão híbrida, com turbo hélices e motores radiais. O desenvolvimento do P2V Neptune (mais barato, simples e eficiente), e a rápida evolução dos caças a jato, aliado ao fim da II Guerra Mundial fizeram com que a produção do P4M fosse muito pequena (19 exemplares), todos eles foram baseados em uma base da Marinha Americana no Marrocos Francês, no início dos anos 50 originalmente na função de caça-minas. Posteriormente estes aviões foram transformados para o perfil de guerra-eletronica na função SIGINT sendo transformados em P4M-1Q, com 16 tripulantes e operando no “front” da Guerra Fria: as fronteiras orientais e ao norte do Império Soviético, China e Coréia do Norte, em várias ocasiões de 1955 a 1960, operando em missões secretas os esquadrões VQ-21 e VP-2 travaram combate contra caças MiG-15 e 17 de Soviéticos, Chineses e Norte-Coreanos, “esquentando” a guerra fria. Em apenas uma ocasião um P4M foi derrubado (em cima de Shangai), nas outras as aeronaves sairam severamente avariadas, caindo por falta de combustível ou danos severos. Uma característica interessante desse avião é que a sua função turbo-hélice podia ser usada como um booster de fuga, porém isso queimava o combustível inteiro do avião.

Os Meus 100 Modelos 1/100 – Dia 12 – Martin 139WAN

Os Modelos da Minha Coleção – Dia 12 –

Martin 139WAN

Durante os anos de 1930 a tecnologia aeronáutica progrediu rapidamente, surgindo como nos sabemos os monoplanos de revestimento metálico e cantilever com trem de pouso retrátil. Curiosamente essa nova tecnologia foi empregada inicialmente na aviação comercial e nos bombardeiros, para depois ser utilizada em desenhos de avião de caça. Um dos primeiros bombardeiros a utilizar essa moderna tecnologia foi o Martin B-10 encomendado pelo USAAC em 1932 e tendo entrado em serviço em 1935, ao tempo da sua introdução era um dos mais modernos bombardeiros táticos do Mundo, muito mais rápido que diversos caças biplanos contempôraneos. O B-10 ficou em serviço nos EUA até 1941, embora não tenha sido utilizado em combate pelas cores do USAAC.
O desempenho do B-10 chamou a atenção do mercado mundial, sendo que vários foram exportados para Argentina, China, Holanda, Turquia e Tailandia. As máquinas chinesas foram usadas em combate contra os japoneses, assim como as Holandesas, e as máquinas tailandesas foram usadas contra os Franceses de Vichy. Essas versões eram conhecidas como Martin 139W. A Marinha Argentina adquiriu em 1936 um lote de Aeronaves Martin 139 WAN (World – Argentine Navy) (Equivalentes ao B-10A norte-americano), no total de 36 aparelhos, que foram utilizadas de 1937 até 1950 como aeronaves de patrulha/bombardeiro e de transporte especial/ligação, foram operadas princiaplmente na defesa dos interesses da Argentina no extremo sul do País, e numa demonstração de poder contra o vizinho Chile, com quem nutria uma guerra fria desde os tempos da Independência…

Os Meus 100 Modelos 1/100 – Dia 11- North American F-86E-10 Sabre

Os Modelos da Minha Coleção – Dia 11 –

North American F-86E-10 Sabre

O Sabre é talvez um dos mais clássicos aviões a jato militares desenvolvidos após a II Guerra Mundial. O F-86 começou como um derivado do “jet mustang”, uma versão com propulsão a jato do famoso P-51. No entanto o fim da II guerra mundial e a captura por parte dos aliados de copioso material de pesquisa alemão sobre asas enflechadas, encorajou os militares americanos e a NA a desenvolver uma versão do então XP-86 com asas enflechadas, surgindo um dos mais notáveis aviões militares de todos os tempos. O Sabre foi muito utilizado no conflito Coreano, onde a USAF se bateu de frente contra os sovieticos, chineses e norte-coreanos pilotando o MiG-15. O F-86 era o avião favorito de Chuck Yager que teve ampla experiencia de vôo nele. O Sabre no auge de sua carreira equipou mais de 30 forças aéreas e todos os continentes. Os ultimos foram aposentados nas pequenas Forças Aéreas da América Central na segunda metade dos anos 80, 40 anos após o seu primeiro vôo.
O F-86E-10 Liza Gal/El Diablo é um dos componentes do 4ª Ala de Caças da USAF, esta unidade envolvida na Guerra da Coréia teve muitos ases, nos confrontos diretos com os MiG-15. O F-86E-10 BuAer 51-2800 pertencia ao 338th Fighter Group, baseado na base aérea de Kimpo em 1952, tendo sido pilotado por um dos ases da ala. O capitão Chuck Owens. Este militar foi um dos ases da Guerra Coréia, sendo especialista em destruir alvos terrestres e tendo confirmadas apenas duas vitórias sobre as oito estrelas que o avião ostenta na fuselagem que são creditadas a outros pilotos que voaram o F-86E antes de Chuck.