Boeing F3B na escala 1/100

Bem amigos e amigas, estamos de volta  com mais um modelo finalizado, dessa vez é o clássico e colorido caça naval dos anos 20 e início dos 3, antecessor da famosa família do F4B/P-12, o Boeing F3B. Esse modelo originalmente na escala 1/48, foi me enviado para testar pelo amigo Roman Vasyliev (Der Kampfflieger) e acredito estar em venda em breve na Ecardmodels  em duas escalas (1/72 e 1/48) e no formato multi-livery. No site papermodelers.com voces acompanham a montagem completa

Boeing F3B

 

Novidades, Noticias, Justas Atualizações.

Bem amigos e amigas! Estamos de volta!

Primeiramente, um grande pedido de desculpas pelo longo período offline, isso deveu-se ao fato de que o servidor onde estava hospedado o forum, página e os blogs do Clube do Canhão ter sido trocado, encerramos nossas atividades com a UOL (aliás a empresa no final comportou-se de maneira extremamente deselegante, retirando do servidor o nosso conteúdo antes do fim do contrato programado), estamos agora em um servidor próprio. Porém nosso competente webmaster estava (e está) assoberbado de trabalho, por isso as coisas demoraram um pouco para voltar aos eixos, lembrem-se isso é um hobby (modelismo e o nosso espaço virtual), primeiro a vida real depois o irreal (divertimento).

Apesar de estar sumido nessas duas ou três semanas, isso não quer dizer que não estávamos em atividade, pelo contrário, a bancada está fervendo de novidades. Vamos a elas…

Como voces sabem eu voltei a fazer plastimodelismo depois de um longo periodo apenas no papelmodelismo, apesar de por enquanto o modelo estar paralisado, tenho me divertido com o Curtiss P40E na 1/72 da Academy, espero em breve retomar essa montagem…

A montagem detalhada do P-40E está no fórum do Clube do Canhão neste endereço: http://www.clubedocanhao.com.br/forum3/viewtopic.php?f=14&t=3726

Já no campo do papel modelismo, além das duas montagems recentes, postadas aqui ontem, temos várias coisas em andamento, vamos conferir:

Saab Draken

Dornier Do-18

Meus dois últimos modelos montados, a produção esse ano está mais devagar…

A bancada está fervendo, estou com cinco projetos concomitantes vamos a eles:

MD F-4C Phanton II, nas cores da USAF durante o conflito do Vietnan, este modelo foi scaneado por mim a partir de um magazine GPM na resolução de 600 DPI, foi reduzido para 1/100, o objetivo é reproduzir todos os detalhes nessa escala como no modelo original. O modelo está sendo montado para um GB no fórum Plastimodelismo Livre e Democrático com a montagem espelhada no fórum do Clube do Canhão.

O Fokker EIII é outro experimento de conversão da 1/33 para a 1/100, ele é a base de teste de um monte de técnicas novas, a montagem está sendo transformada em um artigo que será publicado em breve no site do Clube do Canhão…

O Curtiss Condor esta sendo montado direto da folha (com exceção da redução da escala para 1/100), este modelo esta sendo feito para o 8º GB de Aviação do Panzermodel Fórum e está tendo a montagem concomintante espelhada no Clube do Canhão. O modelo é uma das pérolas de Aaron Murphy, e acredito que pelo estágio avançado da montagem, será um dos primeiros a ser finalizado desse “grupo dos cinco” (F3B, F4C, Condor, EIII, B2M)

Der Kampfflieger, me imcubiu de realizar a montagem teste do seu mais novo modelo, o Boeing F3B, o original é na 1/48, mas eu reduzi para a 1/100, o F3B é um dos mais desconhecidos aviões navais do EUA, sendo utilizado como caça baseado em porta-aviões durante a década de 20.

Minha montagem beta do meu modelo artesanal do Mistubishi B2M na 1/100 continua, de maneira devagar mas continua, atualmente além do airframe básico concluso, estou desenhando o trem de pouso e os struts de centro…

 Além de tudo isso, ainda estou mechendo no modelo multimédia da nave do Zanac, espero em breve poder sair do estágio de montagem para pintura…

Nave Zanac no seu primer branco básico…

 Bem gente, de montagens acho que era isso, espero atualizar o blog em breve, com novos artigos da Antologia da Av. Naval e no Taller e na série especial sobre aeronaves e SF. Em breve novidades.

 

 

Vultee V-72 (A-31 Vengeance) – RAAF (1943) 1/100

Bom dia povo! Mostrando mais algumas adições da minha coleção 1/100, hoje vamos com um avião que gosto muito, o Vultee V-72 (A-31) Vengeance, o “Stuka” Norte-Americano. O V-72 foi usado pela FAB também durante a II Guerra Mundial. Aqui apresentamos um A-31 nas cores da RAAF durante a metade da II Guerra Mundial. O kit é excelente, desenhado pelo renomado Roman Vasyliev (Der Kampfflieger). O modelo pode ser adquirido na ecardmodels.com.

Antologia da Aviação Naval Nº 7 – Boeing Model 256

Dando continuidade a nossa antologia da aviação naval,  tratamos de  uma aeronave clássica e nas cores da nossa Aviação Naval. Falo do Boeing 256 (Versão de Exportação do F4B-4).

O Avião

Em 1928 a Boeing iniciou os estudos para construir uma aeronave de caça que pudesse substituir os tipos da empresa em operação na Marinha Americana (Os caças Boeing F2B e F3B), estes estudos consolidaram-se na iniciativa privada de construir um pequeno biplano com a fuselagem semi-monocoque, conhecido como model 83.

Planta do Boeing P-12E do USAAC (Equivalente ao Boeing F4B3)

O design foi tão acertado e o avião voava tão bem, que logo a Marinha Americana encomendou 27 exemplares de uma versão aperfeiçoada que foi chamada de F4B1. O desempenho e a manobrabilidade chamaram a atenção do USAAC que também adotou o pequeno avião como o seu caça padrão (chamado de P-12) durante os anos de 1930.

A família P-12/F4B ficou em operação de 1930 à 1942 nos EUA, sendo desenvolvidas diferentes versões
ao longo dos anos, sendo as mais numerosas as variantes P-12E (do USAAC) e F4B4 (da Marinha). Foram produzidos mais de 500 unidades que operaram como caça e nos anos finais em serviço, como treinadores avançados e aeronaves de instrução no solo para mecânicos. Apesar dessa grande produção para o tempo de paz e considerando os anos da grande depressão econômica, por conta da crise de 1929. O P-12/F4B foi até a II Guerra Mundial, o avião militar mais produzido nos EUA no período entre-guerras. Apesar disso a exportação da família foi tímida, sendo que o único operador estrangeiro efetivo do aparelho foi o Brasil.

O Model 256 na Aviação Naval

A aquisição desses aviões por parte do governo Getúlio Vargas, representou um salto de qualidade para a Aviação Naval e a Av. Militar, pois foram comprados para o conflito de 1932 contra os Paulistas revoltosos.

Boeing 256 (F4B4) nas cores da AN-MB, notem a insignia na forma de um falcão e a chave de arranque do motor posicionada.

Durante essa guerra, ficou patente a incapacidade das nossas forças armadas em um combate aéreo, operando com tipos inadequados ou obsoletos (como o vetor de caça Vought O2U Corsário da Av. Naval ou então o Nieuport Delage NiD-72C-1 da aviação militar), considerando a fidelidade da Marinha com o governo durante a revolução de 1932, a gestão Getúlio Vargas comprou direto da fábrica Boeing um lote do Model 256 (Idênticos aos Boeing F4B4 da US Navy, a última versão de produção). A aquisição destes aviões justificava-se por conta da Revolução e do desenrolar dos acontecimentos entre a Bolívia e o Paraguai que culminaram na Guerra do Chaco.

Para a sorte dos revoltosos esses aviões não chegaram a tempo de participar do conflito, sendo posteriormente divididos entre a Aviação Naval e a Aviação do Exército, gerando uma rusga entre as duas armas que existe até hoje com a “herdeira” FAB. Assim dos 14 exemplares encomendados nos EUA oito foram para o Exército e os demais para Av. Naval. Estas máquinas foram na Marinha matriculadas de C1B-33 à C1B-38, sendo que a designação na Marinha do tipo era C1B (C=Caça 1=1º modelo B=Boeing), os F4B4 da Marinha ficaram baseados todos na Base Aérea do Galeão de 1932 à 1941.

Dois oficiais desconhecidos posando junto com um Model 256 (1C3)…

Com exceção de alguns meses em 1932/33 em que ficaram baseados em Ladário patrulhando a fronteira do Brasil com o Paraguai por conta da Guerra do Chaco.

Graças as habilidades acrobáticas dos F4B4, a marinha montou uma pequena esquadrilha de demonstração aérea. Equipada com três aeronaves, pilotadas pelos Cap. de Corveta Djalma Fontes Cordovil Petit, Capitão-Tenente Lauro Oriano Menescal e Capitão-Tenente José Kalh Filho. Essa esquadrilha logo chamou a atenção pelas manobras realizadas, sendo que em alguns casos os aviões eram presos por cordas!!!

Os três malucos que voavam com os aviões presos por cordas…

A esquadrilha ganhou notoriedade pública com excursões pela Argentina e pelo Uruguai, sendo que no primeiro país o impacto das apresentações foi tão contundente, que o congresso argentino aprovou o plano de modernização

Três 256 sobrevoando o litoral do Rio de Janeiro em meados da década de 30.

da Força Aérea do Exército Argentino e da Marinha desse país. A “esquadrilha” também escoltou o Lockheed L-12 Electra do Presidente Vargas em suas viagens, bem como o grande dirigível Graff Zeppelin em sua chegada no rio em 1937. As duas aeronaves remanescentes foram passadas para a FAB em 1941.

O Modelo:

O meu modelo de papel é do afamado editor Der Kampffleiger originalmente nas escalas 1/48 e 1/72. É vendido na ecardmodels.com na forma de um pack em que se inclui a versão da Marinha. É um típico kit desse editor, com boas texturas, formers precisos e um interior razoavelmente detalhado, perfeito para a escala 1/100.

Bristol Type 153A 1-100

Mais um 1/100 para a minha coleção de protótipos e máquinas não construídas.

Trata-se do Bristol 153A, caça bimotor, proposto em 1938 pela Bristol (para fazer frente ao Me-110), a semelhança deste com o Grumman Skyrocket é impressionante, ao contrário do avião da Grumman que vôou na forma de um protótipo em 1939/40 o Type 153A nunca saiu dos desenhos conceituais, aqui observamos uma versão protótipo ficticia com as marcações britanicas de 1940 para este tipo de avião.

O modelo é um beta teste do afamado designer Der Kampffleiger e em breve estará a venda na www.ecardmodels.com

O trem de pouso descolou quando eu estava mexendo no avião para fotografar só vi esse depois, sorry…

Um Artigo e uma Nova Galeria.

Para dar uma agitada nesse blog apresento um novo artigo, na seção Série Máquina-História-Modelos, trata-se do clássico norte-americano dos anos 30, o pequeno caça biplano Boeing F4B4, nas cores esotéricas da nossa AN-MB (Aviação Naval da Marinha do Brasil) o artigo pode ser visualizado aqui.

Este foi o primeiro modelo que montei em 2012, para um GB no fórum Panzer Model específico sobre a Aviação Naval, foi uma experiencia interessante, em breve devo postar o PaP da montagem desse modelo, por enquanto fiquem com a galeria do modelo finalizado. Como sempre reduzido a minha escala constante de coleção: 1/100.

Um abraço a todos.

A Minha Magnus Opus do Semestre: Caproni Ca 3

Gente na semana passada, finalizei o famoso bombardeiro trimotor da I Guerra Mundial (1914-1918), o Caproni Ca 3, de origem italiana, foi um dos mais eficientes bombardeiros dos aliados, usado extensivamente pelos italianos no fronte sul contra o Império Austro-Hungaro de 1916 à 1918.  O desing do Ca 3 era tão acertado que o bicho ficou em operação com os italianos até 1926…

 

O PaP desse modelo editado pelo Der Kampfflieger,  foi postado em quatro fóruns diferentes: aqui mesmo no Clube do Canhão, no Panzermodel Fórum, no Modelismo na Net e finalmente no Papermodelers.com, em qualquer desses endereços voces acompanham a montagem realizada do carnaval até agora. Em breve uma matéria especial da montagem do bichinho aqui na seção do Taller del Peres…

Até la!