Farewell José Reis

As notícias que me fazem publicar hoje não são nada agradáveis. Ontem faleceu após longa luta contra o câncer o meu amigo e modelista José Reis.

Não conheci o José Reis (conhecido na comunidade papel-modelistica internacional como Zé Reis) pessoalmente, estávamos unidos pela maravilhosa empatia que a internet pode produzir entre as pessoas, de as aproximar por interesses comuns. Mesmo estando a um oceano de distância.

O Zé Reis era um papelmodelista de grande habilidade, talvez um dos melhores do Mundo na minha humilde opinião, tinha um gosto extremamente eclético nas suas montagens, que eram caracterizadas por um intenso planejamento, meticulosa pesquisa e execução primorosa do trabalho, caracterizada por pinturas, desgastes e excelente aparência geral dos modelos, sendo que em muitos casos é bem difícil dizer o que era de papel e o que não era…

O Zé Reis ficou mundialmente famoso com a criação do modelo da casa do Karl da animação “Up – Altas Aventuras”, é um modelo extraordinário que apresenta mais de mil peças, que o meu amigo partilhava mediante solicitação via email no seu blog.

Além de exímio modelista José foi uma grande figura humana, dotado de um agudo bom senso, sendo extremamente gentil, educado, culto na maior variedade de assuntos que travavámos no forum do CCCP.

Foi um defensor intransigente do papelmodelismo, sendo infelizmente incomprendido em alguns momentos por algumas pessoas, inclusive sendo “expulso” de certo sitepor defender a não utilização de modelos piratas.

Da minha parte, só posso dizer que foi uma honra conviver com tal pessoa, mesmo que virutalmente, pois foi um exemplo de homem na vida real, um exemplo de modelistas, onde fazia questão de partilhar todo o seu conhecimento a quem estivesse interessado, não tinha vaidade nenhuma em seu trabalho, que ao contrário de muitos afetados, consideram o hobby a razão de viver, Zé Reis vivia na verdade muitas razões e o hobby era apenas uma dela.

Adeus meu amigo. Sentiremos saudades!

 Para quem quiser se manifestar ou escrever uma nota, no fórum da Modelismo na Net há um tópico fixo para despedidas. :(

Curtis CT-32 Condor na escala 1/100

Nossa segunda galeria de hoje  é do estranho, porém classico Curtiss-Wright  CT-32 Condor, um avião de passageiros/carga desenhando nos EUA durante a primeira metade da década de 30, teve uma pequena produção, mas foi muito utilizado na América latina, inclusive na guerra de fronteira entre o Peru e o Equador em 1941. O exemplar mostrado aqui é um tipo especialmente modificado pelo Almirante Byrd para ser usado na sua segunda expedição a Antártica em 1938 para fins de reconhecimento e aerofotogametria.

O modelo foi desenhado pelo amigo Aaron Murphy, e está disponível para venda na Ecardmodels.com, recomendo para os amantes da “Golden Age”. Relembrando que a resenha de montagem está disponível no fórum do Clube do Canhão em português e em inglês no fórum Papermodelers.

Novidades, Noticias, Justas Atualizações.

Bem amigos e amigas! Estamos de volta!

Primeiramente, um grande pedido de desculpas pelo longo período offline, isso deveu-se ao fato de que o servidor onde estava hospedado o forum, página e os blogs do Clube do Canhão ter sido trocado, encerramos nossas atividades com a UOL (aliás a empresa no final comportou-se de maneira extremamente deselegante, retirando do servidor o nosso conteúdo antes do fim do contrato programado), estamos agora em um servidor próprio. Porém nosso competente webmaster estava (e está) assoberbado de trabalho, por isso as coisas demoraram um pouco para voltar aos eixos, lembrem-se isso é um hobby (modelismo e o nosso espaço virtual), primeiro a vida real depois o irreal (divertimento).

Apesar de estar sumido nessas duas ou três semanas, isso não quer dizer que não estávamos em atividade, pelo contrário, a bancada está fervendo de novidades. Vamos a elas…

Como voces sabem eu voltei a fazer plastimodelismo depois de um longo periodo apenas no papelmodelismo, apesar de por enquanto o modelo estar paralisado, tenho me divertido com o Curtiss P40E na 1/72 da Academy, espero em breve retomar essa montagem…

A montagem detalhada do P-40E está no fórum do Clube do Canhão neste endereço: http://www.clubedocanhao.com.br/forum3/viewtopic.php?f=14&t=3726

Já no campo do papel modelismo, além das duas montagems recentes, postadas aqui ontem, temos várias coisas em andamento, vamos conferir:

Saab Draken

Dornier Do-18

Meus dois últimos modelos montados, a produção esse ano está mais devagar…

A bancada está fervendo, estou com cinco projetos concomitantes vamos a eles:

MD F-4C Phanton II, nas cores da USAF durante o conflito do Vietnan, este modelo foi scaneado por mim a partir de um magazine GPM na resolução de 600 DPI, foi reduzido para 1/100, o objetivo é reproduzir todos os detalhes nessa escala como no modelo original. O modelo está sendo montado para um GB no fórum Plastimodelismo Livre e Democrático com a montagem espelhada no fórum do Clube do Canhão.

O Fokker EIII é outro experimento de conversão da 1/33 para a 1/100, ele é a base de teste de um monte de técnicas novas, a montagem está sendo transformada em um artigo que será publicado em breve no site do Clube do Canhão…

O Curtiss Condor esta sendo montado direto da folha (com exceção da redução da escala para 1/100), este modelo esta sendo feito para o 8º GB de Aviação do Panzermodel Fórum e está tendo a montagem concomintante espelhada no Clube do Canhão. O modelo é uma das pérolas de Aaron Murphy, e acredito que pelo estágio avançado da montagem, será um dos primeiros a ser finalizado desse “grupo dos cinco” (F3B, F4C, Condor, EIII, B2M)

Der Kampfflieger, me imcubiu de realizar a montagem teste do seu mais novo modelo, o Boeing F3B, o original é na 1/48, mas eu reduzi para a 1/100, o F3B é um dos mais desconhecidos aviões navais do EUA, sendo utilizado como caça baseado em porta-aviões durante a década de 20.

Minha montagem beta do meu modelo artesanal do Mistubishi B2M na 1/100 continua, de maneira devagar mas continua, atualmente além do airframe básico concluso, estou desenhando o trem de pouso e os struts de centro…

 Além de tudo isso, ainda estou mechendo no modelo multimédia da nave do Zanac, espero em breve poder sair do estágio de montagem para pintura…

Nave Zanac no seu primer branco básico…

 Bem gente, de montagens acho que era isso, espero atualizar o blog em breve, com novos artigos da Antologia da Av. Naval e no Taller e na série especial sobre aeronaves e SF. Em breve novidades.

 

 

Antologia da Aviação Naval – Vol. 6 – Fairey IIID “Santa Cruz”

O nosso sexto volume da Antologia da Aviação Naval, traz um artigo já publicado no Blog sobre o notável scout naval inglês do período entre-guerras, o Fairey IIID, e da aventura particular de Portugal em embretar-se numa aventura aérea em plena década de 20.

O Avião:

Muita gente tem uma tendência, mesmo no Brasil em achar que Charles Lindenberg foi o cara que efetivamente conseguiu cruzar o Atlântico pela primeira vez, não desmerecendo, o feito do americano, o fato é que ele foi o primeiro a fazer em um vôo “non stop” a viagem da América do Norte a Europa em 1927, porém os primeiros mesmos a cruzar o Atlântico, foram o tenente Sacadura Cabral e o almirante Gago Coutinho em 1922.

III
A aventura…

As figuras, Gago Coutinho, morreu velho em 1959, Sacadura Cabral desapareceu no Mar do Norte em 1924, nunca foi achado o seu cadáver...

O Almirante Gago Coutinho, foi um grande geógrafo, responsável por muitas cartas modernas de territórios inóspitos na África e na Ásia quando eram possessões portuguesas, inventou entre outras coisas o sextante moderno de navegação, utilizado até hoje. Com esta invenção eles realizaram o vôo histórico, navegando pelas estrelas e pelo sol.

O Lusitânia decolando da Foz do Tejo em 30 de março de 1922, note a Torre de Belém ao fundo…

O primeiro Fairey IIID preparado para o vôo foi batizado de “Lusitânia”, esse avião foi perdido na primeira parte do trajeto, este Fairey tinha as asas alongadas para realizar o tento, depois os dois aviadores utilizaram mais um Fairey, o “F-401″ que também foi perdido em um acidente. O lusitânia se arrebentou nos rochedos de São Pedro e o “F-401″ em Fernando de Noronha após uma pane seca, com o “Lusitânia” foi feita a maior parte da viagem.

Com o acidente do segundo IIID, a Marinha Portuguesa despachou um terceiro batizado de “Santa Cruz” que fez o trecho final da viagem pelo litoral Brasileiro, dando às caras no Rio de Janeiro. Este avião encontra-se lindamente preservado no Museu da Marinha em Lisboa.

O Santa Cruz preservado, é impressionante a qualidade de conservação, 98% do avião é original.

Ao contrário de nós, que simplesmente deixamos durante muito tempo para trás a epopéia de João de Barros e o SM-55 “Jahú” que foi outro pioneiro da travessia do Atlântico, os portugueses reverenciam essas duas grandes personalidades, com belos monumentos e na sua numismática…

Selo postal português mostrando o Santa Cruz, que ficou mais famoso por ter terminado o trajeto, embora o Lusitânia foi o maior herói…

Cédula de 20 escudos (antes da implantação do Euro)

Monumento alusivo ao grande feito

Falando um pouco sobre o avião, o Fairey IIID foi ainda desenvolvido durante a I Guerra Mundial, como um provável substituto do Short 184, infelizmente este chegou tarde demais para participar do conflito, de modo que acabou entrando em serviço na FAA e na RAF no início da década de 20. Suas boas caracteristicas de vôo, uma célula quase modular e a possibilidade de intercambiar os flutuadores com trens de pouso, permitiram que a Fairey fosse desenvolvendo versões cada vez mais competitivas, sendo que as versões D e F foram exportadas para vários países com diferentes plantas motrizes. Um desenvolvimento da IIIF, o Fairey Gordon foi usado pela nossa Aviação Naval de 1932 à 1940, mas isso já é outra história…

O Modelo:

O modelo montado foi repintado por mim no Corel Draw X3 e está a venda na Ecardmodels , aqui. Foi projetado por Jim Fairges da pequena mas muita ativa firma Lad ‘N’ Dad, representa muito bem os Fairey IIID e F, o modelo original estava nas cores do Serviço Aéreo Naval Australiano originalmente, tudo que fiz foi repintar nas cores da Armada Portuguesa, detalhei a montagem dele em vários fóruns como no do CCCP, Panzer Model Forum, Papermodelers.com e Modelismo na Net

Adoro montar biplanos, e eles quando finalizados chamam muito a atenção, aqui, tem um PaP da montagem do Fairey IIID, espero que inspire os amigos modelistas a montarem os seus próprios trabalhos. Até a próxima.

Projeto Antologia da Aviação Naval na Escala 1/100

A brincadeira começou com o GB ainda  ocorrendo no Panzermodel, que vai até o final de maio com possível prorrogação em junho. Este GB é um GB sobre aviação naval, como tenho muita coisa impressa na 1/100 sobre o tema (desde aviões da I Guerra Mundial, até os caças modernos em uso pela US Navy) resolvi alternar as minhas montagens, entre um avião “terrestre” e um “naval”, por este mês, abril e maio ainda vou me centrar em fazer o que está comprometido com o GB, mas a posteriori não pretendo abandonar o tema. Não vou criar uma página específica aqui no blog a antologia será posta na área de postagem frontal com marcador e categoria específico. Irei postar na primeira parte da antologia algumas aeronaves já construídas da minha coleção 1/100 sobre o tema aviação naval, a idéia de cada conteúdo é história – modelo, eventualmente alguns modelos ainda a serem feitos terão um passo a passo quando eu achar interessante.

Até lá catrefa!!!

Um Artigo e uma Nova Galeria.

Para dar uma agitada nesse blog apresento um novo artigo, na seção Série Máquina-História-Modelos, trata-se do clássico norte-americano dos anos 30, o pequeno caça biplano Boeing F4B4, nas cores esotéricas da nossa AN-MB (Aviação Naval da Marinha do Brasil) o artigo pode ser visualizado aqui.

Este foi o primeiro modelo que montei em 2012, para um GB no fórum Panzer Model específico sobre a Aviação Naval, foi uma experiencia interessante, em breve devo postar o PaP da montagem desse modelo, por enquanto fiquem com a galeria do modelo finalizado. Como sempre reduzido a minha escala constante de coleção: 1/100.

Um abraço a todos.

Mais um finalizado: Boeing P-26 Peashooter 1/100

Se lembram daquele post de alguns meses atrás que eu listei os projetos inacabados? Pois então, matei mais um que estava na lista, o clássico Boeing P-26 Peashooter, um dos meus aviões favoritos dos anos 30.

Esse modelo foi feito para o GB Especial do Panzermodel Forum “Pearl Harbor” e também foi replicado na seção “Papyrus Nostrum” no fórum do Clube do Canhão, aqui voces encontram todo o desenvolvimento da montagem.

O Boeing P-26 e a sua respectiva versão de exportação, o Model 281, representa um anacronismo dentre a nova safra de aviões militares que estavam surgindo nos anos 30.  Principalmente por ser um monoplano com asas tensionadas através de cabos de aço e pelo trem de pouso fixo. Foi até o surgimento de caças como o P-36 e o P-35 nos EUA o único avião de caça “moderno” do USAAC. Apesar de manobrável e adorado pelos seus pilotos (que o apelidaram de “peashooter” – disparador de ervilhas), em combate o P-26, não teve grande êxito, sendo  utilizado pelos Chineses no seu longo conflito com os Japoneses na segunda metade da década de 30 e pelo Corpo Aéreo do Exercito Filipino em 1941 contra os caças da Marinha Imperial Japonesa.

A versão representada aqui é de um dos aviões do 18th PG do USAAC baseadas no campo Wheeler ao tempo do ataque a Pearl Harbor, os P-26 estavam sendo substituidos pelos P-40, já estandp nessa ocasião relegados a funções secundárias como treinamento, ligação e instrução de terra.

O modelo é do grande designer polonês Marek  Pacinsky, tem algumas pequenas falhas, mas fica uma réplica muito bonita, original e na escala 1/50, eu que o reduzi para 1/100. O rigging é feito com fios metálicos rigidos de cirurgia.

Até a próxima pessoas!!!

Alguns Previews…

Bem…

Já que mostrei o que está pronto, está na hora de mostrar o que anda meio parado na Bancada e que pode ser finalizado em pouco tempo. Esses projetos podem ser finalizados na semana, ou então daqui há muito tempo, quem sabe o que vai acontecer hann???

Pelo menos fica aqui a intenção registrada o atiçamento das formigas 😉

1. Boeing P-26 Models by Marek escala 1/100

Esse é um modelo que está sendo feito direto da folha, encontra-se em um estado bem avançado de trabalho, é um que tendencialmente devo terminar em breve, assim que retomar o saco de participar dos gb’s do site panzermodel (confesso que ando muito, mas muito desmotivado)

2. Savoia Marchetti SM-55A – Modelo by Peres escala 1/100.

Esse é um scratch digital, foi feito usando como base uma meshe do Combat Flight Simulator da Microsoft, eu converti, adaptei o modelo, desdobrei no Pepakura Designer, montei a asa, e o saco se foi putz, o pior é que adoro esse avião, vamos ver se recupero o gás para montá-lo…

3. Myasishchev M 4 Bison – Maketekk Escala 1/100

Esse é sem dúvida o maior modelo que já montei na escala 1/100, outro que anda parado, por uma absoluta falta de saco, mas acredito que em breve devo retoma-lo, já que os detalhes que faltam são vamos por assim dizer cosméticos, é que esse modelo deu tanto trabalho, que perdi o combústivel de finalizá-lo.

4. Venator Star Destroyer – JayBats, Tiluchi, Hawkman67 – Sem escala

Esse modelo era para ser feito no GB de Ficção do Panzermodel Fórum, mas como roí a corda em relação ao prazo de finalização tá aí se arrastando, mas como o modelo está mais ou menos 75 % finalizado é outro que deve ser concluso ainda esse ano…

Existem outras coisas que não tenho foto que estão na “pile list” a saber:

  1. Hawker Ninrod – Outro scratch digital usando uma meshe do Combat Flight Simulator 1, o modelo já está no jig mas me falta saco de terminá-lo, é um dos mues mais antigos projetos na bancada, arrasta-se desde 2007…
  2. Breda 65 – Apenas Cortado desde 2010;
  3. Colonial Movers –  Falta finalizar um container, apra passarmos para a fase 2 é outro que se arrasta desde 2008;
  4. Wing Commander Arena Rapier (Variantes) –  Apenas as peças da variante cavalier montada.
  5. Martin 139W  – O modelo ainda está na fase de repintura digital, faltando apenas aplicar os “decais”.
  6. Naboo Fighter – 35% montado, parado desde 2009;
  7. Horten Ho XVIII -40% Montado, na quarta tentativa de montar esse modelo do blog Paperhobby, quando acertei, acabou a motivação.
  8. USS Hautignton – Federation Deuteriun Tanker – 1/1700 – Montagem iniciada, mas momentâneamente parada.

Bem gente é isso por enquanto, foi bom publicar essa lista, quem sabe não acho o incentivo necessário para vencê-la? Veremos…

Até a próxima.

A Minha Magnus Opus do Semestre: Caproni Ca 3

Gente na semana passada, finalizei o famoso bombardeiro trimotor da I Guerra Mundial (1914-1918), o Caproni Ca 3, de origem italiana, foi um dos mais eficientes bombardeiros dos aliados, usado extensivamente pelos italianos no fronte sul contra o Império Austro-Hungaro de 1916 à 1918.  O desing do Ca 3 era tão acertado que o bicho ficou em operação com os italianos até 1926…

 

O PaP desse modelo editado pelo Der Kampfflieger,  foi postado em quatro fóruns diferentes: aqui mesmo no Clube do Canhão, no Panzermodel Fórum, no Modelismo na Net e finalmente no Papermodelers.com, em qualquer desses endereços voces acompanham a montagem realizada do carnaval até agora. Em breve uma matéria especial da montagem do bichinho aqui na seção do Taller del Peres…

Até la!